Avançar para o conteúdo principal

Uma concepção particular do sujeito

O debate sobre questões de fé e crença religiosa é frequente, já perdi a conta das vezes que assisti ou presenciei esse tipo de debate, tanto de crentes, como de descrentes. Para os segundos, é imperioso passar a palavra, as incoerências dos fiéis, as contradições da fé e os indícios sobre a inexistência da entidade divina. Os primeiros tentam defender-se como podem, tentando alegar que a razão não pode explicar a fé. Não sou teólogo, não me posso expressar com profundo conhecimento de causa, só que ontem li um argumento que aponta o indício forte que Deus não existe, um teólogo pode refutar o argumento com maior acutilância, mas lembrei-me que mesmo não conhecendo a teologia o argumento pode ser refutado. O argumento sintético é o seguinte:
1) Se Deus existe, deve intervir no mundo para prevenir o mal.
2) Deus não intervém no mundo para prevenir o mal. 
3) Logo, Deus não existe. 
Este argumento parte do pressuposto que Deus é omnipotente, infinitamente bom e omnisciente. Claro que podem existir outras causas para o silêncio de Deus, mas para um ateu isso é pouco importante. O argumento tal como está é um indício forte para suportar a sua crença. O problema aqui talvez seja que esta concepção de Deus é particular, ou seja, há uma concepção particular de Deus, e partindo dessa concepção particular Ele não existe. 
Para refutar este argumento, posso alegar que na minha concepção (particular), Deus são as leis fundamentais da física. Por exemplo, na minha concepção particular, Deus é a gravidade. E claro, eu posso demonstrar que a gravidade existe e faz coisas extraordinárias, logo, na minha concepção particular de Deus, Deus existe. 
Este princípio não se resume a Deus, aliás, podemos dizer que é comum no mundo da mente. Por exemplo, posso ter uma concepção particular do que é o amor ou a amizade. Posso ter concepções particulares bizarras. Posso acreditar que o amor é a satisfação total da minha vontade, e só há amor quando alguém satisfaz todos os meus caprichos. E se alguém não satisfaz a minha vontade, é porque me odeia. É uma concepção particular e eu escolho subjectivamente as premissas que permitem-me concluir se a amizade ou o amor existem ou não. O problema das concepções particulares é que podem ser herméticas, redutoras, simplistas, e até, maliciosas ou caprichosas. Partir de concepções particulares para justificar uma crença sobre Deus, o amor ou a amizade, pode ser, assim, um erro, porque podem ser ignoradas princípios fundamentais, e os critérios subjectivos podem ser enviesados. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Ímpia compaixão

Houve um tempo que os dois falavam-se, trocavam impressões de versos, arte, pensamentos, sem tocar no assunto, como se esse assunto não existisse, o caso é uma mulher, uma mulher que tinha pertencido aos dois, uma mulher poderosa, sensual, forte. O primeiro tinha tido um breve caso com ela, um contacto íntimo que durou pouco até que ela o trocasse pelo segundo. Claro que tudo aconteceu com cordialidade, como se nada tivesse ocorrido, como se não houvesse maneira de arrancar rancor. Mas o ressentimento ficou, oculto, debaixo da superfície. O caso não podia ser esquecido, o primeiro foi humilhado pelos amigos, todos sabiam o que tinha ocorrido, ele ficou sem o seu caso amoroso, num momento em que todos sabiam que a amava. Ela partiu sem consideração pelos seus sentimentos, trocou-o por alguém que não merecia o seu respeito. Foi uma traição, uma sivícia, ela era a sua amada, o amor é sagrado, é inconcebível que seja rasgado por um ímpio. Os dois tinham a mais íntima das ligações, ela é …

Junho ou Novembro: que importância isso tem?

Os historiadores investigam as suas fontes e podem chegar a conclusões distintas sobre acontecimentos históricos, parece-me natural de que isso aconteça, mas quando esse acontecimento é uma data, qual foi a data que ocorreu um facto histórico, talvez seja conveniente levar o labor de um historiador a sério. Claro que o achamento ou povoamento de uma ilha é um acontecimento relevante para quem habita nessa ilha, que importa afinal se é Junho ou Novembro, se foi em 1419 ou 1420? Parecem elementos pouco importantes, que só merecem uma atenção residual, o relevante é festejar o episódio, será que interessa festejar numa data com critérios precisos? Se a tradição aponta para Novembro, porque mudar os festejos se um historiador aponta para outra data? O facto é importante porque o revisionismo histórico é comum, não é de agora, nem vai acabar amanhã, a história altera-se ao longo do tempo, nem sempre obedecendo a critérios objectivos ou taxativos, e isto é um problema, porque quem é dono da …